0

Uma entrevista da presidente da OAB de Santarém, Ana Calderaro, criou o maior qüiprocó na classe. Tudo porque ela criticou os advogados que não se pautam pela ética e recomendou que cada um atue com competência e decência, “para não correr o risco de terminar com diploma nas mãos, mas tendo que vender cachorro quente ou ser motoqueiro nas ruas de Santarém, para ganhar a vida“.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

A Pérola encantadora

Anterior

No rigor da lei

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *