Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Adeus à pianista Luíza Camargo

A querida e respeitada pianista, compositora e professora Luíza Maia da Silva Vaz de Camargo, que formou gerações, se foi, hoje. Formava com o escritor, poeta e professor de História da Arte do curso de Comunicação da UFPA Mílton Camargo, falecido em 10 de novembro do ano passado, um casal ímpar e muito admirado.

Luíza se apresentou pela primeira vez no Theatro da Paz aos doze anos, tocando a “Valsa do Minuto” e uma mazurka, de Chopin. Ao se diplomar no curso de Piano no Conservatório Carlos Gomes recebeu o título de honra, e foi a primeira e única concluinte a obter o prêmio Ettore Bosio. Ganhou uma bolsa de estudos para cursar Canto Lírico no Conservatório Nacional de Canto Orfeônico, no Rio de Janeiro, onde se diplomou. Sua vida foi dedicada à música, e todos os que a conheceram reverenciam a sua memória.

Com seu marido, viveu um amor inspirador, como nos grandes romances, que atravessou as décadas e durou a vida inteira, de ambos. Mílton Camargo, também personalidade e profissional notável e estimado, foi agraciado com o Prêmio Monteiro Lobato, da Academia Brasileira de Letras, em 1989, por seu livro A zebra branca e, em 1995, venceu o Prêmio Vespasiano Ramos, da Academia Paraense de Letras, com o livro de poesia Estações.  

O presidente da Academia Paraense de Música, pianista Humberto Azulay, em post no Facebook, foi quem deu a notícia, com uma mensagem carinhosa traduzindo o sentimento de todo o meio musical. Na foto, Luiza e Mílton Camargo com os também pianistas e professores Adriana e Humberto Azulay, que são irmãos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *