Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Abrindo os caminhos em 2017


Esta eu pincei da página do Museu da Cidade de Alenquer, editada pelo advogado e procurador de justiça aposentado Ismaelino Valente, que por sua vez compartilhou publicação do professor doutor Aldrin Moura de Figueiredo, contando que iria se esmerar na defumação de fim de ano. Ele fez um mestrado sobre pajelança e feitiçaria na Amazônia no século XIX, que virou livro, e viu, em muitos anexos de inquéritos policiais, listas de objetos, itens e relatos de habilidades em limpeza do corpo, em abrir e fechar os caminhos, trocar os ares, aparecer e desaparecer, tirar flechadas de bichos ou quebrar quebrantos. 

Em Belém – conta Aldrin -, no século XIX, existiu uma Tia Carolina, moradora da rua Bailique, especializada em apagar um ano ruim. Muitas vezes foi acusada de feiticeira e alcoviteira, mas era muito querida socialmente, “no seu lugar”, por isso nunca foi presa. Vários de seus clientes eram de elite paraense que, “escondidos”, se dirigiam à casa da preta velha para resolver problemas do corpo e do espírito. 

Preparem suas defumações com a receita apurada pelo Aldrin: alecrim limpa o corpo e o espírito; arruda abre o caminho; alfazema é atrativo e faz bem pra casa; anis, cravo, manjericão e louro são bons para os ganhos; açúcar cristalizado é de limpeza das mãos; sal grosso é de limpeza das costas; folhas de mangueira e eucalipto limpam a casa; madressilva é bom pra memória e pra terminar algo que se começou; rosa-de-todo-ano branca é coisa de paz; sândalo é pra namoro; pau de canela é pra prosperar; e, por fim, o banho do Pará leva pataqueira, oriza, priprioca, patchouli, catinga de mulata e vindicá. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *