A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

A novela do Pedral do Lourenço

Vejam só esta:  ontem, durante a sabatina da Comissão de Infraestrutura do Senado Federal que aprovou o nome de Fernando Fortes Melro Filho para a diretoria Administrativa e Financeira do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o senador Flexa Ribeiro(PSDB-PA) cobrou um posicionamento definitivo do governo federal em relação ao lançamento do edital para o derrocamento do Pedral do Lourenço, obra fundamental para o funcionamento regular das eclusas de Tucuruí e da hidrovia Tocantins/Argauaia. A resposta: “o processo já está pronto e se encontra em análise, na Procuradoria Geral da República”. Ora, o edital estava prometido para agosto e depois para o final de setembro, com data certa. Aliás, nos últimos cinco anos, já marcaram dezenas de datas e nada aconteceu. Tudo, como diz o caboclo, papo furado. A novidade é que desta vez nem uma data limite foi anunciada para a licitação. Ou seja, agora é que não sai mesmo.

“Recebi a informação que o processo está em análise na Procuradoria. Saindo de lá ele vai direto para licitação. O processo já está pronto”, afirmou Melro.
Só pode ser piada, e de mau gosto. No dia 09 de setembro, o diretor-geral do Dnit, Valter Casimiro, garantiu a Flexa Ribeiro, em audiência pública no Senado, que iria lançar o edital até 30 de setembro. 

Detalhe: o governo federal diz que “a empresa vencedora do processo licitatório terá por obrigação tirar a licença ambiental”. Ora, antes de licitar a obra é preciso ter a licença. De modo que o jogo de empurra é evidente. O derrocamento não sai porque não é licitado. E se for não sai porque não tem licença ambiental, que até as pedras sabem que deve anteceder qualquer obra. Ou seja: o governo faz errado, o MPF e o TCU barram, e aí vem a desculpa de que queria fazer mas não deixam. Enquanto isso, o Pará e os paraenses…

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *