A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

A memória de Belém pelo ralo


Definitivamente, a Prefeitura de Belém está trafegando na contramão da História. Esta semana implantaram esta placa vergonhosa que vocês podem observar aí na foto, em frente ao solar do Barão do Guajará, que desde 1944 abriga o Instituto Histórico e Geográfico do Pará, entidade que tem 117 anos de existência. Guarujá é aquele município de São Paulo que ficou famoso no âmbito da Operação Lava-Jato, por conta do tal apartamento tríplex, como frisam, com justa indignação, os advogados Célio Simões e Sebastião Piani Godinho e o professor doutor Genylton Odilon Rêgo da Rocha (este o autor da foto), todos acadêmicos do IHGP
A edificação, localizada na Rua do Aveiro (antiga Tomázia Perdigão), nº 62, no bairro da Cidade Velha, uma joia da arquitetura, erguida no início do século XIX em estilo neoclássico, é parte integrante do patrimônio histórico e arquitetônico de Belém, tombada em 1950 pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Ícone do apogeu econômico e social parauara, na belle époque, guarda tesouros culturais de valor incalculável.  

Domingos Antonio Raiol, o Barão do Guajará, um aristocrata e monarquista ferrenho, que viu o seu pai ser morto pelo cabanos em Vigia, quando era criança, e escreveu Motins Políticos, obra clássica sobre a Cabanagem, herdou o prédio ao se casar com a sobrinha do Visconde de Arari. O Barão morreu nessa casa em 1912, aos 82 anos de idade e deixou uma biblioteca com títulos que remontam ao ano 1.700, inclusive documentos, cartas, mapas, pinturas e armas. Em 1942, o então prefeito de Belém, Abelardo Leão Conduru, adquiriu o Solar de um de seus herdeiros e com ele os móveis e a biblioteca. Um legado que o IHGP preserva para as gerações futuras.

Barão do Guarujá é… deixem pra lá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *