Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A letra morta quanto ao interesse coletivo

Rua Félix Rocque. Foto CiVViva
Tombado como patrimônio histórico e cultural nos âmbitos municipal e federal, o centro histórico de Belém, às vésperas dos seus 400 anos, é o retrato da decadência. Uma das suas ruas – a antiga travessa da Vigia, atual Félix Rocque –, que dá acesso ao rio Pará/Guamá/Tocantins, foi invadida e está bloqueada, sem que qualquer providência seja tomada pelo poder público, ao arrepio da Constituição Federal e de todas as normas infraconstitucionais. 

Ainda no primeiro semestre de 2013, a presidente da Associação Cidade Velha – Cidade Viva, Dulce Rosa de Bacelar Rocque, assim que notou o estreitamento da rua pela obra da Praticagem da Barra, pediu informações a respeito ao Ministério Público Federal. As obras foram suspensas. Outras entidades, como a Associação dos Amigos do Patrimônio de Belém, se movimentaram e, em outubro de 2014, após um Seminário na sede do Ministério Público Estadual sobre a orla, novas providências foram solicitadas. Em 23 de janeiro deste ano, o procurador da República José Augusto Potiguar comunicou que o Iphan aprovara um novo projeto da Praticagem da Barra para a parte da rua ocupada irregularmente. Foi então assinado um Termo de Ajustamento de Conduta onde se pede a rigorosa observação do projeto aprovado pelo Iphan, sob pena de multa de R$1 mil por dia. O projeto deveria ficar pronto até julho de 2016. Acreditando que o problema tinha sido resolvido em favor da cidadania e no respeito da ética e das leis, todos saíram de lá satisfeitos. Contudo, poucos dias depois, dia 29 de janeiro, para estupefação geral, a entrada tinha ficado mais estreita ainda, como um funil. Colunas tinham crescido rapidamente. No último dia 3 de março, uma equipe do Iphan recebeu as entidades que atuam em defesa de Belém que, entre outros assuntos, falaram de novo sobre a rua que acaba no rio, na orla da Cidade Velha. Na ocasião, outra surpresa: finalmente se descobriu como cresceu esse terreno, para o proprietário. Culpa do cartório, talvez, que ao digitar o ato de compra e venda colocou um zero fora do lugar, aumentando assim a largura do fundo do terreno… Confrontando dois documentos, no mais velho estava escrito que o terreno tinha 12,22m em ambas as extremidades (Siqueira Mendes e beira do rio). Mas no documento sucessivo a beira do rio já media 12,83m. E ninguém, claro, notou isso à época dos fatos…. nem o dono! Tal documento foi para a Superintendência do Patrimônio da União e ali também ninguém notou o acréscimo que favorecia a Praticagem da Barra, enquanto a rua diminuía. O mesmo diga-se quanto à Seurb. O distinto contribuinte ignora em que data foi descoberto esse fato que veio a reduzir uma rua por causa da negligência de alguém, sendo que ninguém se incomoda em consertar o erro e fazer valer os direitos dos cidadãos. 

Há anos a Associação Cidade Velha-Cidade Viva pede a regulamentação do tombamento do Centro Histórico. O silêncio oficial é ensurdecedor. 

Urge a tomada de consciência destes riscos. Uma quantidade excessiva do patrimônio histórico, arquitetônico, cultural e ambiental de Belém já está perdida para sempre. Para grande parte do remanescente, as ações de preservação chegarão no último momento, se é que virão.  A importância desse patrimônio transcende os limites do tempo e da cultura, deve ser preservado para as gerações atuais e futuras e posto de alguma forma à disposição de todos os povos do mundo. O desinteresse pelas questões práticas da proteção e da preservação do patrimônio, por ignorância ou omissão, é gritante. Salvaguardar significa proteger, conservar e preservar. Assegurar a permanência da memória de um povo e sua cultura. 

A lei de proteção do patrimônio histórico e artístico, no Brasil, é regida pelo princípio do interesse coletivo. A Constituição de 1934 instituiu, pela primeira vez, a função social da propriedade como um princípio constitucional. Nela, foi estabelecido que o direito de propriedade, embora garantido, não poderia ser exercido “contra o interesse social ou coletivo, na forma que a lei determinar”. Fundamentado no interesse cultural da sociedade, o Estado pode criar restrições ao usufruto do direito de propriedade de determinado bem, visando à manutenção dos valores nele reconhecidos como dignos de preservação. Por outro lado, estabelece um reconhecimento público que possibilita aos proprietários melhor acesso às diversas fontes de financiamento. Mas o tema tem passado ao largo tanto da academia quanto do meio oficial e dos políticos.

A função social da propriedade está intimamente ligada com a
contemporânea inexistência da dicotomia rígida entre o direito público e o direito
privado, a hermenêutica e a interpretação conforme a Constituição, e a concretização
dos princípios fundamentais, em especial da dignidade da pessoa humana e da justiça
social. E
 a união indissociável entre a propriedade e a sua
função social resta positivada em diversos dispositivos da Carta Magna vigente.
Com a nova dimensão da propriedade, cuja definição é inseparável da sua
função social, há três formas de incidência do princípio em comento: vedação
ao proprietário do exercício de determinadas faculdades, obrigação de o proprietário
exercer faculdades elementares do domínio e a criação de um complexo de condições
para o exercício das faculdades atribuídas pelo direito de propriedade. Mas, na prática, a lei e a doutrina têm sido letras mortas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *