Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

A humanidade destroçada pelos egos

O mundo está tomado pela barbárie nas diversas instâncias sociais, culturais, econômicas e políticas. Fome, miséria, analfabetismo, desemprego, mortalidade infantil e de gestantes, doenças endêmicas, pandemia, destruição da natureza, falta de solidariedade e de retos meios de vida. Rui Barbosa um dia afirmou: “A chave misteriosa das desgraças que nos afligem é esta, e somente esta: a ignorância! Ela é a mãe da servilidade e da miséria”. O tema é antigo mas atualíssimo. Miséria humana move o livro que inspirou “O Beco do Pesadelo”, concorrente ao Oscar 2022. Com tantas mortes por ataques terroristas, por pessoas em surto psicótico, pelo crime organizado, pela pandemia e pelas guerras entre os povos, era de se esperar que a Humanidade se reinventasse. Mas eis que a realidade se mostra ainda mais dura e cruel.

Grupos e organizações de voluntários se mobilizaram em todo o planeta para oferecer roupas, alimentos e até mesmo moradia em outros países para os milhões obrigados a deixar a Ucrânia. No entanto, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky recusou a ajuda de brasileiros. À primeira vista, pareceu uma reação insana.

Contudo, é perfeitamente compreensível diante do absurdo que tem sido perpetrado por nacionais que envergonham o povo brasileiro. Não bastasse aquele deputado federal de São Paulo que, supostamente, foi oferecer ajuda humanitária e enviou áudios repugnantes sobre as mulheres ucranianas a seus amigos, outros conseguiram entrar na Ucrânia a título de ajudar os militares no front de batalha. O que pareceu um ato heroico se revelou infâmia. Ao chegarem na base de uma das tropas ucranianas, a primeira coisa que fizeram foi postar stories e vídeos em seus perfis pessoais nas redes sociais. Obviamente, a inteligência russa detectou, rastreou e bombardeou a base. E muitos dos que estavam ali morreram. Dentre eles, alguns brasileiros.

É absurdo, patético e inaceitável, mas indivíduos que sentem necessidade de aparecer nas redes sociais realizando atos de falso altruísmo geraram crise diplomática e são responsáveis por portas que se fecharão a bons brasileiros. Há quem não tenha vida fora da internet. Nada mais complexo, intrincado e enigmático do que seres humanos. E olhem que, dentre as quase oito milhões de espécies de animais viventes no planeta Terra, o homem é o único capacitado de consciência e controle instintivo.

São os indigentes de qualquer senso moral, empatia e humanidade, que causarão a ruína civilizatória. São os donos da vaidade ignorante, que aniquilam ambientes, instituições e sociedades. Intimamente ligados pelo desprezo quanto ao outro, verdadeiros carcinomas sociais que contaminam o planeta, para os quais a única coisa que importa é o seu ego insaciável.

A geração atual não sabe viver off line. Até os bebês já são viciados no celular, porque ninguém tem mais paciência para brincar com eles, então é melhor que fiquem vidrados na telinha. As famílias conversam pelos grupos nos aplicativos. E depois ninguém entende o porquê de distúrbios de comportamento. E ninguém enxerga que pessoas estão sofrendo, se automutilando e se suicidando porque não têm ajuda, o sofrimento é invisível. As máscaras são muitas, e entre elas os indispensáveis filtros dos apps. Parece exagero, desesperança, mas é um choque real. Vamos por os pés no chão e as mãos na consciência?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *