Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

A data magna do Pará

O feriado deste 15 de Agosto, que marca a adesão do Pará à independência do Brasil, instituído há 18 anos como a data magna paraense, é a prova cabal de que precisamos passar a limpo a nossa História. O distinto cidadão parauara não tem a menor ideia de qual a importância da data para o Estado.

Nada há a celebrar pelo dia 15 de agosto de 1823, de triste memória, quando um mercenário inglês, John Grenfell, enganou os paraenses e assim conseguiu a declaração de adesão, prendeu e causou a morte, por sufocamento, de 252 dos 256 dos rebeldes jogados no porão do brigue Palhaço, isto depois de ter executado sumariamente cinco soldados. Até o cônego Batista Campos, que tinha pedido a presença de Grenfell, foi por ele amarrado à boca de um canhão, e só escapou pela interferência de terceiros e pelo receio de que seu assasinato reacendesse a revolta. 

Acontecimento decisivo, histórico, marcante e fundamental para a vida e para a história do Estado do Pará, episódio sangrento no qual escravos, índios e mestiços se uniram à classe média para lutar por seus ideais foi a Cabanagem, que durou cinco anos e matou cerca de quarenta mil pessoas de um total de cem mil de toda a população, verdadeiro genocídio mas período político por demais significativo que teve sucessivos governos e nunca foi devidamente estudado e registrado. 

No Rio Grande do Sul, a data magna estadual é a Revolução Farroupilha, o mais longo e um dos mais significativos movimentos de revoltas civis brasileiros, envolvendo em suas lutas os mais diversos segmentos sociais – a Guerra dos Farrapos contra o Império, de 1835 a 1845 – que teve como pano de fundo os ideais liberais, federalistas e republicanos, tendo sido inclusive proclamada a República Rio-Grandense, instalando-se na cidade de Piratini a sua capital. 

No hall de entrada principal da sede da Assembleia Legislativa do Pará, denominada Palácio da Cabanagem, há um painel que ocupa toda a parede de fundo. Trata-se de “A Adesão do Pará à Independência do Brasil”, pintado em 1971 pela alenquerense Anita Panzuti (com a colaboração de Betty Santos), que retrata o momento histórico: de um lado, o bispo Dom Romualdo Coelho assinando a proclamação da adesão do Pará à Independência do Brasil; ao centro, o imponente Palácio do Governo (Palácio Lauro Sodré, hoje Museu Histórico do Estado do Pará), e, no lado direito, o brigue Maranhão, com o qual o almirante inglês Lord Thomas Cochrane – a quem Dom Pedro passara o comando da Marinha do Brasil – encarregara seu compatriota capitão John Pascoe Greenfell de ameaçar bombardear Belém, afirmando que havia uma esquadra em Salinas, pronta para bloquear o acesso ao porto da capital, isolando a Província do Grão Pará do resto do Brasil, caso não optasse pela adesão. E, assim, obteve a adesão dos paraenses à Independência.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *