Em 17 de agosto é celebrado o Dia do Patrimônio Histórico. A Lei nº 378/1937, no governo Getúlio Vargas, criou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a fim de proteger e preservar os bens culturais do país, marcando…

A incorporação do território da então Província do Grão Pará e Rio Negro ao Império Brasileiro, fruto de um engodo, ensejou em poucos meses a tragédia do brigue Palhaço e, mais de dez anos depois, a sangrenta Cabanagem, mas esse…

O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

150 anos do Museu Paraense Emílio Goeldi



O Museu Paraense Emílio Goeldi comemora seus 150 anos nesta quinta-feira, 6, com direito a hasteamento das bandeiras de Belém, do Pará e do Brasil no topo do Pavilhão Domingos Soares Ferreira Penna, a “Rocinha”, e performance da artista paraense Lúcia Gomes em meio aos convidados e visitantes do parque zoobotânico. A ação artística marca também o início do Arte Pará, que completa 35 anos e 10 de exibições no MPEG. Em parceria com a Susipe, ProPaz e a Tintas Coral – via Programa “Tudo de Cor para Você” – e apoio do Programa “ProGoeldi” e Instituto Peabiru, será lançada também a primeira etapa da pintura dos muros e das edificações históricas do Museu Goeldi. Fafá de Belém deve dar a pincelada inaugural.
Pintores voluntários e reeducandos do sistema penitenciário participam do projeto.


No interior do pavilhão expositivo, será aberto o “Salão 150 anos”, divulgando as ações, itens e vídeos especiais do aniversário, além da mostra “Museu e Você”, de fotografias feitas por visitantes do Goeldi.
Simultaneamente, será inaugurado o Espaço Goeldi 150, parceria com a Imerys Caulim para a reabertura da Livraria do Museu. No local, o visitante poderá doar para a campanha de revitalização do parque e receber recompensas (camisetas, chaveiros e outros mimos). Também podem ser encontrados objetos inspirados nas culturas amazônicas e artesanato regional.
Ao lado, funcionará o Café Beneficente, de culinária regional. 



Além das novas instalações físicas, o Espaço Goeldi 150 conta com endereço virtual para doações.(clique aqui). 


O valor do ingresso é de R$3 (inteira), com meia-entrada para estudantes. Crianças com até 12 anos de idade incompletos, idosos com mais de 60 anos e pessoas com deficiência têm direito à gratuidade. O acesso a profissionais da Educação é gratuito mediante documento que comprove a condição. 


Em 6 de outubro de 1866, na então capital da Província do Grão-Pará, acontecia o primeiro encontro da Associação Filomática, grupo que reunia “amigos” e apoiadores da ciência, ponto de partida do Museu Paraense, espaço de pesquisa, lazer e educação e instituição de ciência mais antiga da Amazônia.
Hoje, o Museu Paraense Emílio Goeldi é um instituto de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Brasil e um dos três maiores do Brasil em termos de coleções científicas. São cerca de 4,5 milhões de itens tombados, em 18 coleções etnográficas, arqueológicas, linguísticas, de minerais e fósseis, documentais e biológicas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *