O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

A voz da razão

“Não se pode fazer novos investimentos no setor hidrelétrico em detrimento do transporte hidroviário. É preciso manter o rio navegável. Portanto, quando se construir uma hidrelétrica, tem de ser construída a eclusa. Isso permite o uso múltiplo das águas. Com mais rios navegáveis, o País pode reduzir seu custo logístico, já que transportar carga por hidrovias é mais barato do que pelas rodovias. Além disso, investindo nas hidrovias, é possível emitir no meio ambiente 90% menos de dióxido de carbono em relação ao transporte rodoviário e, também, como os rios precisam das nascentes e de matas ciliares, a hidrovia é mitigação ambiental”. (Fernando Fialho, diretor-geral da ANTAQ).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *