Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Vencedores do concurso Marina Monarcha

Os vencedores na categoria A do concurso de canto lírico Marina Monarcha, do III Encontro de Canto na Amazônia, foram o tenor Antônio Wilson (1º lugar), e as sopranos Kézia Andrade (2º lugar) e Lanna Bastos (3º lugar). Antônio Wilson ganhou R$ 500 e a oportunidade de ser solista em um concerto da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz. Já os vencedores da categoria B foram o tenor Mário Ícaro, Dulciane Ribeiro e Juliane Lima.  

A cantora lírica Marina Monarcha, que presidiu o júri do concurso de canto, recebeu a medalha alusiva aos 120 anos do Instituto Carlos Gomes das mãos do diretor de ensino do IECG, Cláudio Trindade, que representou o superintendente da Fundação Carlos Gomes, Paulo José Campos de Melo, e um diploma das mãos da pianista Doris Azevedo. Para homenagear a grande dama foi exibido um vídeo com depoimentos de ex-alunos e familiares dela. 

O ex-gerente de Música da Secult, João Augusto Ó de Almeida, que foi aluno de Monarcha, destacou a importância dela para o desenvolvimento do canto lírico no Pará. “Ela reúne muitas qualidades. É uma musicista muito boa, rigorosa. E uma artista muito talentosa, dotada de uma voz que maneja muito bem porque domina a técnica do canto e tem um grande carisma. Ela tem uma luz, um brilho, uma energia que reúne as pessoas em torno dela. O entusiasmo e a paixão que ela tem pela música conquistaram a todos nós”. 

O maestro Vanildo Monteiro, que participou do Coro Marina Monarcha, fez um discurso em homenagem à professora. “A senhora é uma inspiração. Um exemplo de perseverança e de amor ao canto. Por isso peço um viva ao canto no Pará e à nossa eterna estrela, Marina Monarcha!” 

Muito emocionada, Marina Monarcha contou sobre o encontro com Doris Azevedo no Instituto Carlos Gomes e a decisão de deixar o conservatório quando foi para a UFPA. “Estou muito feliz. A vida trouxe muitos embates. Tive sorte de ir para o RJ, onde a minha cabeça se abriu e eu fiz o que pude. A universidade (UFPA) me colocou um dilema, que foi deixar o Conservatório. Mas ao longo de todo esse tempo pude desenvolver e implantar muitos projetos na área do canto em Belém.”  

Marina chorou de alegria e elogiou a criação do Núcleo de Opera do IECG, iniciativa da cantora lírica e professora Jena Vieira, que há três anos coordena o Encontro de Canto na Amazônia e que também idealizou o Núcleo de Ópera da instituição.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *