Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Vale condenada por dano a quilombolas

A Vale foi condenada, hoje, a reparar danos ambientais causados por suas operações no território quilombola de Jambuaçu, em Moju(PA), onde vivem 58 famílias, em sete comunidades (Centro Ouro, Nossa Senhora das Graças, São Bernardino, Bom Jesus, Santa Luzia do Tracuateua, Santa Maria do Tracuateua e São Sebastião).
Por lá passam linha de transmissão de energia e minerotudo que transporta bauxita da mina Miltônia 3, em Paragominas, até a refinaria da Alunorte em Barcarena.
A decisão é da lavra do juiz federal Arthur Pinheiro Chaves, que atua em Belém, e o autor da ação é o Ministério Público Federal. 


A mineradora também terá que pagar compensação financeira no valor de dois salários-mínimos mensais às famílias atingidas. 

O procurador da República Felipe de Moura Palha e Silva, que atua na defesa dos direitos de populações indígenas e comunidades tradicionais, considera 15 comunidades do território quilombola impactadas pelo assoreamento de rios e igarapés e enfraquecimento do solo, e não só as sete indicadas na sentença. Por isso, recorrerá a fim de incluir todas as 788 famílias das comunidades de Santo Cristo, Nossa Senhora da Conceição, Santa Maria do Mirindeua, Santana Axé do Baixo Jambuaçu, São Manoel, Jacunday, Ribeira e Poacê (Vila Nova). 


De acordo com levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT) citado nos autos, a instalação dos minerodutos e da linha de transmissão representou redução de 20% do território quilombola.
O MPF também apresentou na ação estudo da pesquisadora Rosa Elizabeth Acevedo Marin, da UFPA, que destaca prejuízo na navegabilidade do rio Jambuaçu e seus afluentes, e extinção da pesca nesses cursos d’água, além da perda de castanheiras, açaizeiros, pupunheiras, abacateiros e ingazeiros por causa da derrubada da mata para as obras de infraestrutura. 



O processo nº 0032308-15.2010.4.01.3900 tramita na 9ª Vara da Justiça Federal em Belém (PA). Cliquem aqui para ler a íntegra da sentença e aqui para o acompanhamento processual.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *