Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

UHE Belo Monte

Empresas estatais e privadas disputam a concessão da hidrelétrica de Belo Monte, cujo leilão está previsto para o fim de setembro. CPFL Energia, Cemig e Tractebel (GDF Suez) manifestaram interesse e planejam formar consórcios para participar da licitação. Apesar do apetite, as próprias elétricas admitem que a competição atrairá poucos, em razão do grande porte da usina no rio Xingu, e fazem mistério sobre os futuros sócios. Apenas a Cemig revelou que negocia parceria com a Andrade Gutierrez. A ausência de disputa é um dos temores do governo, porque impediria a queda do preço da energia. Tanto que o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, quer que cada subsidiária da Eletrobrás participe de um consórcio diferente com empresas privadas. Mas é pouco provável que o governo federal consiga licitar Belo Monte em setembro, em razão do prazo apertado para o licenciamento ambiental, e de uma liminar, obtida pelo MPF em Altamira, que impede o Ibama de analisar o EIA/Rima da UHE. Além das incertezas sobre a data, outra dúvida é o valor do investimento. Segundo o último balanço do PAC, o custo é estimado em R$ 7 bilhões. Já os cálculos preliminares da CPFL Energia indicam um montante quase três vezes maior, em torno de R$ 20 bilhões. E a previsão da Cemig é ainda mais elevada: R$ 26 bilhões.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *