A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

TSE mantém eleição em Santa Maria do Pará

Através do Mandado de Segurança Nº 5469, com pedido de liminar, o prefeito cassado de Santa Maria do Pará, Lucivandro Silva Melo, tentou derrubar no TSE a Resolução TRE-PA nº 5.195, de 5 de dezembro de 2013, que marcou para amanhã eleições suplementares no município. Em vão. Não só foi negado seguimento à ação cautelar para a presidência do TRE-PA como indeferida a liminar. 

Diz, em suma, o acórdão regional:

“(…) 36. Desta forma, resta comprovado o oferecimento e entrega das vantagens aos eleitores de Santa Maria do Pará por parte do candidato eleito à Prefeito Lucivandro Silva Melo, tendo em vista que ele, com o auxílio da enfermeira Maria Luciana Saraiva, distribuía aos eleitores da cidade senhas para atendimento médico (custeado pelo SUS) com o médico Wilami Hernandes, toda quarta-feira no Hospital Ordem Terceira, durante o período eleitoral do pleito de 2012 e com vistas à obtenção de votos ao candidato à Prefeito de Santa Maria do Pará, o qual foi, inclusive, eleito.
37. Observe-se que não é crível que durante o período eleitoral o oferecimento e entrega de senhas para obtenção de consultas médicas, entregues na residência do candidato à Prefeito, não seja de seu pleno conhecimento. Ademais, indelével a finalidade eleitoral dessa ação, que visou unicamente angariar votos para o pleito de 2012.” 

O presidente do TSE, ministro Marco Aurélio, assim concluiu a decisão:

[…]
Diante da análise procedida pelo voto condutor, entendo, neste momento que o recurso especial pode encontrar alguma resistência nos enunciados expostos nas Súmulas 7 do STJ e 279 do STF, dada a aparente necessidade de reexame do contexto fático-probatório colhido nos autos para afastar a conclusão a que chegou a Corte Regional no sentido de que ficou comprovada a captação ilícita de sufrágio consistente em “oferecer e entregar vantagem pessoal a eleitores que buscavam consultas médicas no Hospital Ordem Terceira de Santa Maria do Pará, durante o período eleitoral” (fl. 37v) e de que o autor teria forte vínculo com a indicação dos eleitores para atendimento no referido hospital. 

Assim, sem prejuízo de um exame mais aprofundado das razões e fundamentos do recurso especial, não vislumbro, no presente momento, a presença do segundo requisito necessário para a concessão, de forma excepcional, de efeito suspensivo ao recurso, que, por lei, é desprovido de tal consequência (Cód. Eleitoral, art. 257). 

Por fim, não verifico que o acórdão regional, ao determinar a execução imediata da decisão tomada, no âmbito da representação para apuração do art. 41-A, tenha desprezado a jurisprudência deste Tribunal, que é pacífica no sentido de que as decisões que versam a prática de captação ilícita de sufrágio devem ser prontamente cumpridas (AgR-AC nº 4285-81, rel. Min. Marcelo Ribeiro, DJE de 14.3.2011; MS nº 1740-04, relª. Minª. Cármen Lúcia, DJE de 24.2.2012; MS nº 36-30, rel. Min. José Delgado, DJ de 10.3.2008). 

De igual modo, ainda que superada a questão relativa à cassação do diploma do autor em primeira instância em outro feito (AIJE
nº 297-84), em razão da liminar por ele obtida perante o Tribunal Regional Eleitoral, o TRE/PA também julgou procedente a Ação de Impugnação de Mandato Eletivo nº 1-28, como noticiado pelos réus e verificado pelo andamento processual. 

Pelo exposto, nego seguimento à ação cautelar ajuizada por Lucivandro Silva Melo para a Presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Pará.
Contra esse pronunciamento, não se manifestou irresignação, ocorrendo o trânsito em julgado em 29 de novembro de 2013. Não se revela o interesse de agir do impetrante, considerados os termos nos quais formalizado o pedido.

Ainda que se aguarde o exame dos Recursos Especiais Eleitorais nos 128 e 3692 por este Tribunal, subsiste, com plena eficácia, o Acórdão nº 26211, a implicar a cassação do mandato. 

3. Indefiro a liminar.

4.
Devolvo o processo à Secretaria Judiciária, para aguardar-se o crivo do Relator
quanto ao mérito da impetração.

5.
Publiquem.

Brasília,
31 de janeiro de 2014.
Ministro
MARCO AURÉLIO
Presidente”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *