Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Tartarugas ao mar

Quarenta e quatro filhotes de tartaruga oliva (Lepidochelys olivacea) foram resgatados na Ilha da Marieta, perto de Salinas, no último sábado. Os animais já estavam sendo monitorados pelo Projeto Ecologia e Conservação de Tartaruga Marinha no Litoral Paraense, desenvolvido pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará, que monta um calendário com os pescadores do local para acompanhar os quelônios durante a desova. Na praia da Marieta há 11 ninhos, com cerca de 40 filhotes cada.
A ação teve apoio de técnicos da Sema que estavam na Área de Proteção Ambiental de Algodoal-Maiandeua, executando ações do projeto Lazer Consciente. As tartaruguinhas foram levadas até o mar, fora de perigo.
Das sete espécies de tartarugas-marinhas, cinco ocorrem no Brasil e todas estão ameaçadas de extinção. A menor delas, a tartaruga-oliva é conhecida assim devido à cor cinza-esverdeado de sua carapaça. Na Praia de Marieta, há também as tartaruga-de-couro (Dermochelys coriácea), tartaruga verde ou aruanã (Chelonia mydas), a de pente (Eretmochelys imbricata) e a comum (Caretta-caretta).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *