Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Suspeição coletiva

P.Q.P! Nunca vi tanto suspeito em um Tribunal. Até agora já são quatro desembargadores(as).

Isso ocorre nos autos do mandado de segurança que alguns servidores ingressaram contra o Presidente do TJE, desembargador Rômulo Nunes e sua vice-presidente, des. Raimunda Noronha, questionando valores de precatórios depositados pelo Estado direcionados a 22 processos, dentre os quais os dos sobreviventes do massacre de eldorado do Carajás e do Jhonny Yguison.

A relatora do processo, desembargadora Luzia Nadja, concedeu liminar para bloquear os recursos. Contra essa decisão já há mais de cinco recursos, agravo regimental e interno.

Pois bem, no dia 28/04, a relatora levou o processo para julgamento no Pleno do TJE, que se reúne toda quarta-feira. Nesse dia, foram arguidas a suspeição de três desembargadoras: MARIA HELENA D’ALMEIDA FERREIRA; MARIA RITA LIMA XAVIER, MARIA DE NAZARÉ SAAVEDRA GUIMARÃES. O processo foi suspenso e encaminhado ao presidente para decidir. No dia 04/05, sem manifestação, o processo foi adiado, aliás, nem entrou na pauta.

Na próxima quarta (amanhã, para ser preciso) o processo iria entrar em pauta. Iria. Mas o Presidente se julgou, também, suspeito. Acho que por ser o mandado contra ele mesmo. E encaminhou para a vice-presidente decidir. Ou seja, outra provável candidata a suspeição, já que ela figura também como demandada no processo.

Desse jeito não vai sobrar magistrado para julgar o caso. E daí? O que fazer? Sinceramente eu vou estudar o que fazer, eu juro que não estudei essa parte.

P.Q.P!! Será que enterraram uma cabeça de boi nesse processo!?”

(Walmir Brelaz, em post de seu estreante blog)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *