Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Situação desumana

No Pará, 280 pacientes com insuficiência renal crônica e que dependem do tratamento de hemodiálise (filtragem e depuração do sangue feita mecanicamente) esperam atendimento, sem esperança de que a fila ande a curto prazo.
A rotina dos que dependem do tratamento é extremamente penosa. Muitos fazem longas viagens para obter a filtragem do sangue pelo menos três vezes por semana, com duração de quatro horas cada sessão, e passam fome, porque nesses locais só lhes é oferecido, a título de almoço, um copo de suco e um pão careca. Dezenas deles têm que ficar em hospitais e acabam ocupando leitos porque não conseguem vaga em unidades privadas e serviços públicos. O custo operacional dessas internações é enorme, além das sequelas psicológicas, com a depressão causada pela doença e desestruturação familiar. É uma situação desumana.
Para se ter uma ideia do sofrimento dessas pessoas, o serviço só está disponível em oito municípios paraenses. E há três mil pacientes renais crônicos cadastrados no Pará. Mais: os locais em que são instaladas as máquinas de hemodiálise precisam de retaguarda hospitalar, inclusive UTI.
É um crime medonho que tenham deixado encaixotados na rede pública dita de saúde equipamentos de hemodiálise enquanto tantas pessoas precisam desesperadamente deles. Paralelamente às providências do governo do Estado para colocá-los em funcionamento, é preciso que o Ministério Público responsabilize os causadores de tamanha dor.
A luta por um hospital do SUS no Pará exclusivo para transplante de rim, fígado, córnea, coração e medula, e a expansão dos serviços de atendimento deve ser bandeira de todos os paraenses. A sociedade pode e deve ajudar, a começar pela prevenção, com o cadastro de hipertensos e diabéticos nos municípios, e do estímulo à doação de órgãos. Muita gente tem medo de ser doador. Mas não custa refletir: ao invés de deixar seu corpo virar pó ou cinzas, não seria um final muito mais feliz sabê-lo pulsante, dando a chance de vida a outro ser humano?
Se alguém quiser saber mais sobre o tema e ajudar, pode contactar a Associação dos Renais Crônicos e Transplantados do Pará, através de Carlos Genú e Belina Soares, pelo e-mail [email protected].

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *