A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Saúde é direito humano e do cidadão

Em Abaetetuba, só quem está à beira da morte consegue atendimento médico-hospitalar, e isto só porque querem evitar escândalo. Na segunda-feira desta semana, chegou ao meu conhecimento o caso de um bebê de 1 ano e 8 meses – tem crises convulsivas desde que nasceu, precisando de tomografia do crânio e eletroencefalograma, porque só com o mapeamento cerebral pode ter diagnóstico correto – cuja mãe já andou de seca a meca em Abaeté e no hospital Santa Rosa dizem que só em agosto será possível marcar os exames. Com a ajuda do deputado Luis Cunha, consegui que o pequeno João Vítor fizesse a tomografia hoje, cedinho, no Hospital Ofir Loyola. Fui lá antes da 7 da matina, para conferir o atendimento à criança. Devo dizer que os técnicos e funcionários deram-lhe ótimo tratamento.
Porém, não dá para esquecer as centenas de rostos aflitos que vi, na porta e no interior do HOL, muitos ouvindo que teriam que voltar porque não poderiam ser atendidos. E a maioria absoluta vem de muito longe, com fome, e com o organismo devastado pela doença. Quantos pequeninos têm a vida ceifada precoce e injustamente por falta de atendimento? Quantos idosos e adultos sofrem dores lancinantes porque lhes é negada a medicação de que necessitam?
É preciso que o Estado faça com que os hospitais regionais funcionem com capacidade plena, que celebrem convênios com os particulares para que atendam a população carente – e que fiscalizem com rigor para acabar com a máfia das AIH que enriquecem os inescrupulosos à custa das pessoas pobres e doentes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *