Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Sangue no campo

De 1985 até o primeiro semestre de 2009 foram contabilizados 581 assassinatos no Pará, quase 40% do total em todo o País. O estado também registra o maior número de casos de violência: 379 ocorrências, o que representa 34,6% dos crimes cometidos no campo. Praticamente em todos os casos, as vítimas são trabalhadores rurais pobres, lideranças sindicais e religiosas e advogados populares.

Os deputados estaduais Paulo Fonteles (PC doB) e João Batista (PSB) foram assassinados na década de 80 por defenderem a luta de trabalhadores rurais.

Ao longo de 24 anos, apenas 15 casos foram julgados. Mesmo assim, só 9 mandantes e 13 executores foram condenados. Há casos de prescrição de homicídios, cujo prazo de 20 anos é o maior entre todos os crimes previstos no Código Penal.

A militarização dos conflitos pela terra é outra chaga paraense. Entre as situações mais críticas nas disputas pela terra está o cumprimento de reintegrações de posse, com uso da força policial, que já resultou em dezenas de mortes. Em muitos casos, o Judiciário expede ordens baseado em títulos de domínio falsificados e terras griladas.

O CNJ e o TJE-PA acabam de criar um mutirão para julgar todos os crimes no campo cometidos no Pará em função da disputa pela terra. O cronograma de julgamentos deve ser apresentado em 15 dias, segundo determinação em portaria conjunta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *