Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Queremos debater

É isso mesmo que devemos fazer nesta jornada eleitoral? Devemos evitar comparações e críticas? Devemos evitar menções a A ou B? Devemos ficar nos “abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim” – como os versos da música do Vinícius – ou devemos exercer nosso direito de opinar e informar como bem entendermos? O “bem entendermos” mencionado é isto mesmo: como bem entendermos, da forma, da maneira como melhor nos convier. Mas este, evidentemente, não é um direito absoluto. Não é e nem poderia ser. Se alguém não concordar com o que informarmos, se alguém entender que nosso direito de opinar ultrapassou os limites do razoável, então que nos peça primeiro o direito de resposta; depois então, caso necessário, procure o Judiciário para discutir direitos supostamente violados, inclusive eventuais lesões à honra.Mas é inegável que o cerceamento à liberdade de informar e de emitir opiniões é um mal, sobretudo em períodos eleitorais. E a lei eleitoral, que rege as disputas, tem uma carga de subjetividade enorme, fortíssima, que tanto dá ensejo a proposições risíveis, como a formulada pela promotora paulista, como produz situações sui generis.É o caso, por exemplo, de garantir-se nos programas eleitorais o direito de resposta proporcional ao agravo. Mas qual é a proporção que melhor se afeiçoa às circunstâncias. Em cada cabeça, uma sentença.Qual o tempo para a defesa do “ladrão”? (Paulo Bemerguy, jornalista, em seu blog “Espaço Aberto”, sobre a mordaça imposta a dois blogueiros de Santarém pela Justiça Eleitoral).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *