0
Síndico de um edifício residencial ligou hoje para o Serviço de Atendimento ao Cliente da Celpa e pediu que podassem uma palmeira no jardim do prédio que está com os galhos encostando nos fios de alta tensão.

Ouviu que o prazo é de até 30 dias (!) para a providência.

Ele alertou para as constantes e pesadas chuvas, as tempestades elétricas, e o perigo de morte que essa situação significa para centenas de pessoas, em todo o quarteirão, um dos mais movimentados de Belém.
Não houve jeito. A atendente repetiu que, mesmo assim, o prazo é de um mês. Só a providência divina nos salva da Celpa.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Clube do Bolinha

Anterior

O rei da patada

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *