0

O ministro Cezar Peluso, vice-presidente do STF, negou liminar solicitada em Habeas Corpus pela defesa de Marcelo Teles Cardoso, condenado por fazer parte da quadrilha que executou a defensora pública Vera Ximenes Pontes, em abril de 2008, em Belém do Pará.


Outros dois HC já foram negados pelo TJE-PA e pelo STJ: a real periculosidade do réu está evidenciada pelo modo como a defensora foi morta – “deixando-a de pés atados, revelando frieza e falta de respeito pelo ser humano”.


Se a quadrilha não poupou nem a vida de quem, por dever de ofício, defende marginais, imagine o restante da sociedade.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

A estrela sobe

Anterior

Edital cultural

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *