A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Professores ganham ação no TJ-PA


À unanimidade, o Pleno do Tribunal de Justiça do Pará indeferiu os embargos de declaração interpostos pelo governo do Estado e manteve a decisão da desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, datada de agosto de 2016, que determinou o pagamento do piso salarial nacional aos profissionais do Magistério público da educação básica do Pará referente a 2016. 

O Estado alegou que, quando da apreciação do Mandado de Segurança ajuizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará (Sintepp), não foi observada a existência de créditos a serem compensados aos professores, materializados em horas/aula. Mas o relator, desembargador Roberto Moura, entendeu não caber a discussão quanto a eventuais créditos a serem compensados, e considerou que essa análise deve ser individual, porque cada servidor é um caso específico. Além disso, o magistrado destacou, citando farta jurisprudência de tribunais superiores, que não está o julgador obrigado a examinar e a responder todas as questões apresentadas pelas partes quando já tenha encontrado motivos suficientes para fundamentar sua decisão. 

O piso salarial a ser pago corresponde a R$2.135,64, devendo ainda ser calculado proporcionalmente à jornada de trabalho exercida, e o direito é assegurado a partir da impetração da ação. 

Já os professores atuantes na área de Educação Especial no Estado, que requereram a permanência na lotação, tiveram o Mandado de Segurança Preventivo denegado. Para a relatora, desembargadora Nadja Nara Cobra Meda, não restou comprovada a alegação de prejuízo. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *