0
O Pará detém o triste recorde nacional do trabalho escravo, mas foi um paraense, o desembargador federal do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca, na época juiz substituto na Junta de Conciliação e Julgamento (hoje, 1ª Vara do Trabalho) de Abaetetuba, a prolatar em 1976 a primeira sentença condenatória de trabalho escravo em todo o País. Vicente recebera reclamação verbal de trabalhador rural contra empresa fabricante de cachaça. O TRT-8ª Região, por maioria de votos, confirmou a decisão, prevalecendo o voto do então juiz revisor, Roberto Araújo de Oliveira Santos, atualmente aposentado. Desde então, Vicente Fonseca publica artigos e profere palestras em todo o Brasil, defendendo a erradicação dessa mazela social.
Para acessar entrevista sobre o assunto,
clique aqui.
Para acessar notícia no site da Anamatra,
clique aqui.
Para acessar o conteúdo da palestra,
clique aqui.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Fundação Sebastião Tapajós

Anterior

Puxirum no domingo

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *