0
Bom dia, amigos, salve, salve! Domingo de paz, esperança e liberdade democrática! Sou contra o impeachment, contra qualquer tipo de golpe e a favor do empoderamento da sociedade. Que todos possam ir livremente às ruas manifestar aplausos ou repúdio, este é o pluralismo político pelo qual tantos foram perseguidos, humilhados, torturados e mortos no Brasil, durante os regimes de exceção. Sejamos cidadãos, aptos a escolher o nosso destino e a lutar por ele o bom combate, de forma pacífica, ordeira, respeitando as leis e a Constituição Federal. Vamos às ruas, sim, abraçar os nossos ideais e viabilizar nossos sonhos, de justiça, paz e igualdade social!

Vamos às ruas dizer não à corrupção e à impunidade, irmãs siamesas que andam de mãos dadas causando a desgraça do nosso País, desde tempos imemoriais. Vamos às ruas dizer que estamos vigilantes e não permitiremos que destruam as nossas instituições, roubem o futuro de nossos filhos e joguem no limbo as futuras gerações. Vamos às ruas dizer que os que cometeram crimes não representam legitimamente os cidadãos brasileiros, que a dignidade é imprescindível para que o Congresso Nacional, o Poder Legislativo como um todo, seja fortalecido, porque são as Casas do povo. Vamos dizer que o Poder Executivo tem que servir ao povo e não se servir dele, e que o Judiciário precisa salvaguardar os mais altos interesses da Nação. Vamos lembrar, sobretudo, que cada cidadão tem responsabilidade sobre a vida pública nacional, estadual e municipal, e que é dever de todos exercer os direitos humanos e sociais em toda e qualquer ocasião, especialmente nos momentos de crise que ameaçam a estabilidade político-social. Queremos, ao fim e ao cabo, um Brasil com vergonha na cara!

“Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
– Paz no futuro e glória no passado.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme quem te adora à própria morte.

Terra adorada
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Poema da observação

Anterior

Atenção, doadores de sangue!

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *