0
Até as obras que integram o patrimônio histórico e cultural do Museu Municipal João Fona, em Santarém, estão deterioradas, vítimas da poluição sonora que, além de infernizar a vida das pessoas, destrói o precioso acervo. Por causa da vibração das ondas sonoras, documentos, artes em pedra e cerâmica já estão afetados, já que o local, onde antigamente funcionava a Prefeitura, fica na orla da cidade, onde todo mundo se acha no direito de produzir sons em altíssimos decibéis.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Baixo Tocantins ganha PSE

Anterior

Sexta-feira cansativa

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *