Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

PC e PF de bico em Manaus

A Polícia Federal e a Polícia Civil do Amazonas estão de bico, por causa do caso envolvendo a socialite Marcelaine Schumann, a “Elaine”, presa segunda-feira (05) no aeroporto Eduardo Gomes acusada de mandar matar a empresária Denise Almeida da Silva, 34 anos, baleada quando saía da academia Sheik Clube, no Centro de Manaus, no dia 12 de novembro. 

A trama nada fica a dever aos dramalhões da TV. Após o crime, Marcelaine saiu de fininho do País com destino a Miami e chegou a ser incluída na lista de procurados da Polícia Federal e da Interpol. A Polícia Civil fez todos os procedimentos preliminares para a prisão e tem a responsabilidade do inquérito policial, mas a PF efetuou a prisão e, ao invés de entregar Marcelaine à PC na saída do aeroporto, quando terminaria a jurisdição federal (especificamente nesse caso), primeiro levou a bonitona ao Instituto Médico Legal para exame de corpo de delito e depois ao Centro de Detenção Provisória Feminina. Agora, o titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, delegado Paulo Martins, terá que enviar um ofício à Vara de Execuções Penais, pedindo autorização para interrogar Marcelaine, dentro da prisão. Com isso, ela não será mais exposta publicamente e só prestará depoimento quando houver permissão, o que poderia ter sido feito no dia da sua chegada. 

A história parece ter sido copiada de uma novela: o motivo da encomenda do assassinato foi o ciúme. Marcelaine, que é (ou era, a essa altura) casada, soube que o seu amante, o empresário Marcos Souto, teria outra, ninguém menos que Denise, também casada. Enfurecida, a malvada manauara negociou o crime com Charles “Mac Donald” Lopes Castelo Branco, de 27 anos; Karen Arevalo Marques, de 22 anos, intermediou o aluguel da arma, e Rafael Leal dos Santos, o Salsicha, recebeu R$ 3.500 para ser o executor.  Denise levou dois tiros no pescoço mas sobreviveu e já teve alta.

Marcos Souto, o galã pivô, jura que nada tinha com as duas e só tomou conhecimento dos fatos através dos programas de rádio e TV.

E depois não acreditam quando se diz que a vida imita a arte!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *