0
Não me canso de noticiar que o Pará é um celeiro de talentos. O diretor de cena de ópera William Ferrara, que é professor na Universidade de Oklahoma, nos EUA, onde dirige o Opera Studio, dirigiu a contralto parauara Gabriella Florenzano nas suas três apresentações em Verona, na Itália, em julho, e lembrou da bela voz da soprano Gigi Furtado, que conheceu em Belém, durante temporada do Festival de Ópera do Theatro da Paz, para o qual já fez várias montagens, e também ministrou, em abril e maio do ano passado, o curso “Cenas de Óperas”, dentro do projeto “Ópera Estúdio”, criado em 2014 pela Fundação Carlos Gomes, com o objetivo de formar profissionais do canto lírico para atuar em montagens de ópera no Pará, e que se integra ao projeto “Concertos Didáticos”, também da FCG, em parceria com as Secretarias de Estado de Educação e Cultura, com apoio do Theatro da Paz. A cada mês, de manhã e à tarde, grupos artísticos apresentam um concerto comentado para alunos de escolas públicas localizadas na região metropolitana de Belém, iniciativa exemplar e pouco divulgada.

A professora Jena Vieira, idealizadora do “Ópera Estúdio” no Instituto Estadual Carlos Gomes, foi aluna e assistente de William Ferrara nos EUA.  O professor é só elogios para esse trabalho. Disse que acompanha mesmo de longe a luta de Jena e do professor Mílton Monte – idealizador do núcleo de música antiga da Escola de Música da UFPA e criador do Madrigal da UEPA, do qual foi regente por 11 anos, e pioneiro em fazer ópera na Amazônia fora do circuito oficial -, e que ao saber que Gabriella é de Belém não se impressionou porque sabe que existem muitos talentos, grande quantidade e qualidade no canto lírico do Pará. E ainda destacou que o Ópera Estúdio da FCG pode tornar  o Conservatório melhor porque envolve vários profissionais da música, coro, orquestra e muitos professores. 
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Hoje tem jazz no CCBEU

Anterior

Alô, alô, Semma!

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *