0

O valor anual mínimo nacional por aluno, em 2010, foi definido em R$ 1.415,97, via Fundeb. O resto é por conta dos Estados e Municípios, que não têm condições de arcar com o necessário para a educação.

Mas o que atrasa a educação brasileira, muito mais do que a falta de recursos, é o descaso com que sucessivos governos federais tratam a educação: como se ela fosse um problema municipal, e não uma responsabilidade federal – o que perpetua o atraso e a vergonhosa desigualdade “neste País“.

Precisamos exigir a definição de padrões mínimos nas escolas, na formação e no salário dos professores, na edificação e nos equipamentos pedagógicos, e no conteúdo que cada aluno deve aprender em cada série; uma lei de responsabilidade educacional para cada dirigente municipal e estadual; a transformação do MEC em Ministério da Educação Básica; e a implantação sistemática do horário integral em todas as escolas públicas do Brasil. É preciso priorizar a educação, senão iremos do nada para lugar algum.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Mídia & educação

Anterior

Aeroparlamentar

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *