O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

A OAB merece respeito

É uma vergonha o que vem acontecendo na OAB-PA: venda de terreno abaixo do preço, sem licitação, a membro da diretoria, autorizada pela seccional, que não é a dona e sim a subseção de Altamira. Para agravar, com assinatura falsificada. E ainda mais, trata-se de terreno público doado pela prefeitura local.  
É bom lembrar que, além da Constituição Federal, o Código de Ética e Disciplina da OAB tem entre seus princípios fundamentais a busca pela justiça, o respeito à lei, a igualdade, a lealdade, a boa-fé e a dignidade, que além de suma importância para qualquer carreira, o é para a sociedade em geral.
Determina que “o advogado, indispensável à administração da justiça, é defensor do estado democrático de direito, da cidadania da moralidade pública, da justiça e da paz social”. Deve preservar, em sua conduta, a honra, a nobreza e a dignidade da profissão; atuar com destemor, independência, honestidade, decoro, veracidade, lealdade, dignidade e boa-fé; velar por sua reputação pessoal e profissional; contribuir para o aprimoramento das instituições, do Direito e das leis; abster-se de utilizar de influência indevida, em seu benefício ou do cliente; patrocinar interesses ligados a outras atividades estranhas à advocacia, em que também atue; vincular o seu nome a empreendimentos de cunho manifestamente duvidoso; emprestar concurso aos que atentem contra a ética, a moral, a honestidade e a dignidade da pessoa humana;e pugnar pela solução dos problemas da cidadania e pela efetivação dos seus direitos individuais, coletivos e difusos, no âmbito da comunidade.
E nunca é demais frisar que o Estatuto da OAB é taxativo:“o advogado deve proceder de forma que o torne merecedor de respeito e que contribua para o prestígio da classe e da advocacia”.
Ora, a defesa pífia dos envolvidos de dizer que a apuração de tão graves acontecimentos deve se restringir ao âmbito interno da Ordem é a mesma coisa que a OAB defender que o escândalo no Ministério dos Transportes, Dnit e Valec, ou da Alepa, devem ser alvo apenas de sindicância interna. Ou seja, aquela velha história: faça o que eu digo, mas não o que eu faço.
A OAB tem natureza jurídica pública. Tem que dar o (bom) exemplo. Ser transparente e correta. Quem expõe a instituição são as pessoas que cometeram ilícitos em nome dela, e não quem denuncia ou repercute os gravíssimos atos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *