Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

O PAC & o Pará

Ouvimos promessas de asfaltamento para a rodovia BR-163, que liga Santarém a Cuiabá, e, durante 7 anos, foi feito apenas 15 Km de cerca de 2 mil Km. Na Transamazônica, sequer foram asfaltados 30 Km dos cerca de 2 mil Km, no mesmo período. E, pasmem os senhores, para surpresa de todos nós, recentemente, numa reunião com os engenheiros da Andrade Gutierrez, a empreiteira que ganhou a concorrência para asfaltar aquela importante rodovia no meu Estado, as obras foram paralisadas pela falta de projeto e de licença ambiental. Ora, se o DNIT é responsável por fazer os projetos, como se faz uma licitação sem receber no edital o projeto respectivo para a construção da referida obra? É realmente uma vergonha, principalmente depois que lemos o relatório do Tribunal de Contas da União, já aqui nesta Casa, que define como obras superfaturadas obras que tiveram malversação de recursos públicos, aliás obras ainda nem iniciadas, como é o caso do asfaltamento entre Marabá e Altamira. Nós queremos que o Governo brasileiro venha para a Amazônia com os recursos que gastou com Arco do Fogo, com a Força Nacional de Segurança, com a Polícia Federal. Queremos esses mesmos recursos, em torno de 250 milhões de reais, para aparelhar o Incra, fazer o ordenamento fundiário; aparelhar a Emater, fazer assistência técnica; liberar recursos para a construção das vicinais; terminar a tão propalada obra do asfaltamento, enfim, instalar a Escola Agrotécnica Profissionalizante. É preciso liberar nossas emendas individuais para a infra-estrutura urbana de vários municípios daquela região; começar imediatamente a Hidrelétrica de Belo Monte; verticalizar o cacau, do qual somos o segundo maior produtor no Brasil, fazendo uma indústria com incentivos fiscais em nossa região.Quero dizer à Ministra Dilma Rousseff e a todos os brasileiros que eu particularmente, este Deputado, sou de um país que se chama Pará.”(Deputado Wandenkolk Gonçalves, em discurso ontem sobre o que disse a ministra Dilma Rousseff na Câmara Federal, em audiência pública).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *