Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

O elo entre o passado, o presente e o futuro

Mais do que nunca, a
sustentabilidade está na ordem do dia na questão mineral. No projeto Serra Sul,
que prevê investimentos da ordem de US$20 bilhões e já atrai milhares de
migrantes ao sul do Pará, e onde a Vale diz que planeja criar 30 mil empregos com a expansão
da liga de ferro em Carajás, um sítio arqueológico composto por um conjunto de
cavernas e abrigos de pedras guarda vestígios de ocupação humana datada de há mais de 8 mil anos e oferece pistas de como foram os primeiros assentamentos na maior floresta tropical do mundo, ajudando a montar o grande
quebra-cabeça do povoamento das Américas.
No local, foram
encontrados fragmentos de vasos de cerâmica e instrumentos feitos de ametista e
quartzo, sinalizando a importância de Carajás – a maior província mineral do
mundo – para o estudo dos povos pré-históricos. Pesquisadores têm encontrado
cada vez mais evidências de que a região pode ter abrigado vigorosos centros
urbanos antes da chegada de Cristóvão Colombo.
Em cumprimento à legislação ambiental, a Vale contratou arqueólogos e espeleólogos
para pesquisar as grutas situadas no entorno da mina. Adaptou seus planos para
preservar algumas delas. E reconhece que pelo menos 24 das grutas a serem
destruídas são de “alta relevância”, prometendo preservar cavernas em outra
parte do Pará a fim de compensar a perda.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *