0
“Considero uma imoralidade a situação em questão e, por mim, não dava prazo nenhum. Isso se arrasta desde 2007. Não é do meu perfil ficar negociando numa situação dessa, que considero absurda, até porque tem que ter muita paciência. Fiquei sabendo que até o Poder Judiciário tem temporários e, enquanto isso, tem concursado perdendo cargo porque os concursos expiram.”
(procurador Loris Pereira Rocha, do Ministério Público do Trabalho, indignado com mais um adiamento do caso dos temporários da Alepa).
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Calote da Infraero

Anterior

Feudo reservado

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *