O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Novo julgado

O ato praticado foi desumano, atingiu profundamente a auto-estima do autor, se revelou discriminatório e, por esse motivo, deve indenizá-lo por danos. Ao dispensar o empregado dessa forma a empresa o transformou em desempregado com difíceis possibilidades de conseguir outra colocação. A tendência é ficar à mercê de preconceitos por parte da sociedade e sem poder retirar de seu próprio suor a sua fonte de renda. O trabalho dignifica o ser humano e não basta apenas a fonte de renda. É necessário que haja a contraprestação, que o cidadão forneça a sua força de trabalho de tal sorte que não se sinta inútil e tampouco se veja como um peso para a sociedade.” (juiz convocado Aldon do Vale Alves Taglialegna, relator do RO – 01241-2007-013-18-00-9, da Primeira Turma do TRT de Goiás, que concedeu indenização por danos morais, no valor de R$ 20 mil, a portador de hanseníase discriminado no trabalho e dispensado por causa da doença. A empresa determinou que o empregado ficasse em casa, recebendo salário sem trabalhar, porque tinha receio de contágio no ambiente de trabalho, mesmo depois de o INSS atestar que a doença não o impedia de exercer suas funções, nem oferecia perigo de contaminar. Após oito meses de tratamento o empregado tentou retornar, mas foi dispensado sem justa causa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *