Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Nota oficial Sinjor-PA e Fenaj

A Diretoria do Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor-PA)
e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), face a nota oficial publicada
pela Associação dos Magistrados do Estado do Pará (AMEPA), vêm a público
reafirmar veementemente que cumprem sua obrigação de lutar para que os
jornalistas profissionais não sejam h
umilhados, assediados, agredidos e nem vítimas de violações
dos direitos humanos e de cidadania.

O Pará vivencia graves lesões à dignidade humana, à
liberdade de imprensa e à livre expressão e manifestação, cujos exemplos
emblemáticos são o jornalista Lúcio Flávio Pinto, seguidamente condenado por
juiz singular e desembargadores do TJE-PA por dizer a verdade em relação a
notório esbulho do território paraense, reconhecido através do devido processo
legal pela Justiça Federal; a jornalista Franssinete Florenzano, alvo de
injúria, difamação e discriminação sexual perpetradas pelo secretário de Estado
de Comunicação do Pará, Ney Messias Jr., e de denunciação caluniosa e assédio
moral pelo vereador Gervásio Morgado; e a jornalista Tina Santos, agredida
covardemente por policiais militares do Grupo Tático de Marabá, sendo vítima de
lesões corporais e morais.

Trata-se de situação de extrema gravidade, a
ensejar providências urgentes, sob pena de nos tornarmos coniventes com
condutas inadequadas de agentes públicos em detrimento dos fins superiores dos
poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Imprensa livre é sinônimo de
defesa dos legítimos direitos de democracia e de cidadania. Como muito bem o
diz a ministra Eliana Calmon, corregedora do CNJ, o STF não é mais o mesmo e a
sociedade e os meios de comunicação também não são. O Judiciário não é dos
juízes, é da nação. É dos jurisdicionados. Todos os segmentos da sociedade têm
participação nele. E isso é que é bonito na democracia. Queremos enaltecer os
bons magistrados, numa agenda positiva, e o desejável é que a AMEPA seja
parceira nessa luta.

Temos trilhado o caminho da serenidade e da
conciliação. Peticionamos à Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça a fim
de expor as irregularidades processuais e confiamos que será declarada a
nulidade da condenação a Lúcio Flávio Pinto. Solicitamos ao governador Simão
Jatene audiência para tratarmos de assuntos relacionados aos fatos graves
envolvendo a integridade física e moral dos jornalistas. Em resposta, fomos
orientados que tratássemos dos assuntos perante a Casa Civil. Diante da falta
de bom senso de autoridades e entidades que deveriam, pelo seu grau de
responsabilidade, ter muito mais cuidado e empenho em cumprir o que é justo e
certo, o caminho a ser trilhado, doravante, é a formalização de denúncia junto
à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados
Americanos (OEA).
 


Reiteramos ainda, que nós, Jornalistas, sabemos que
decisão judicial é para ser cumprida, porém, isso não nos tira o direito de
lamentar e de nos manifestarmos sobre ela.

Jornalistas que atuam com seriedade incomodam
políticos e empresários poderosos; a busca da verdade atrapalha quem não se
porta com dignidade, por isso tantos profissionais de imprensa são liquidados.
O Brasil é o oitavo país mais perigoso do mundo para jornalistas. Lutaremos com
todas as nossas forças para reverter essa triste realidade.

Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará
Federação Nacional
dos Jornalistas”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *