Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Nota da SDDH

A SDDH lamenta o resultado contraditório no
julgamento do tribunal do júri, realizado entre nos dias 03 e 04 de abril, na
cidade de Marabá (PA), que levou ao banco dos réus os executores e o mandante
do assassinato de José Cláudio e Maria do Espírito Santo e se solidariza com os
familiares, amigos e companheiros de luta das vítimas e de todos os militantes
que acompanharam este julgamento na luta por justiça.
O
julgamento levou ao banco dos réus dois acusados de terem sido os executores e
que foram, nesta ocasião, condenados. Já o acusado de ser o mandante, José
Rodrigues Moreira, foi absolvido pelo assassinato do casal de ecologistas.
A
absolvição do acusado de ser o mandante dos crimes é mais um caso de impunidade
que envolve conflitos agroambientais, o que não é raro no estado do Pará: há 57
assassinatos de defensores de direitos humanos pendentes de julgamento. Isso
revela o quanto é difícil a responsabilização de executores, intermediários e
principalmente dos mandantes, pois estes, em sua grande maioria, são pessoas temidas
pela comunidade e, não raro, possuem o poder político e econômico na região e
acabam usando este poder de diversas maneiras, seja fazendo conluios com os
intermediários e executores para que os livrem e os inocentem, seja
influenciando ou ameaçando testemunhas, ou ainda influenciando ou ameaçando até
os jurados, além de, em muitos casos, terem ligações nada republicanas com
setores do poder público.
Nos
últimos 30 anos, centenas de pessoas, entre mandantes, intermediários e
pistoleiros estão envolvidas em casos de assassinatos no Pará. Porém, somente
se registram pouquíssimas condenações criminais, principalmente de mandantes
como os de: (1) Jerônimo Alves de Amorim, (2) Adilson Laranjeira, (3) Vantuir
Paula, (04) Bida, (05) Regivaldo Pereira Galvão e (06) José Edmundo Vergolino.”

*A Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH) é uma
organização não governamental que, há 35 anos, atua na Amazônia em defesa da
igualdade e por um mundo melhor e mais justo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *