A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

No limite do intolerável

A questão da saúde no Brasil é tema inesgotável, incontornável. E no Pará, especialmente em Belém, o Dia Mundial da Saúde, 7 de abril, deve servir como alerta máximo. Com índices nitidamente comparáveis aos da parte mais pobre da África, a nossa população padece não só de epidemias, mas também com o desprezo pelos doentes.
Falta de compromisso, humilhação, negligência, avidez, violência: todos estes males, ligados a um contexto econômico e social particularmente degradado, são denunciados pelos usuários.
Apesar das grandes declarações, a saúde pública não está em condições de promover a reforma radical necessária, isto porque ela não é, de fato, prioridade nacional e se caracteriza por uma incoerência e uma cacofonia espetacular, diante da omissão e desídia sempre crescentes do setor público, a não-política de saúde do governo.
Não se nota qualquer indicação de vontade política para reverter essa conjuntura, que se transforma em calamidade estrutural. Os pacientes mais pobres enfrentam filas desumanas para marcar atendimento médico e, quando chega o dia marcado, são mandados de volta para casa. As urgências não têm capacidade para atender rápida, digna, eficazmente.

Chegamos ao limite do intolerável. A sociedade precisa se organizar, protestar, exigir que o poder público cumpra seus deveres. Não dá mais para esperar. Estamos à beira do caos, ou já mergulhados nele.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *