0

A indicação para uma diretoria colegiada da Antaq é uma briga de foice no escuro. A nomeação é prerrogativa do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento (PR), que já controla uma das três cadeiras da agência e quer o ouvidor-geral da Antaq, Paulo Vieira (vetado, no fim do ano passado, no Senado, para a diretoria da Agência Nacional de Águas) na outra vaga.

Mas o ministro da Defesa, Nelson Jobim (PMDB), o Comando da Marinha e o vice-presidente da República, José Alencar (PRB), apoiam a recondução do almirante Murillo Barbosa – apoiado também pelos empresários da área de navegação.


Lula deve bater o martelo esta semana. Depois, o nome precisará passar pelo Senado, primeiro na Comissão de Infraestrutura, presidida por Fernando Collor, em seguida no plenário.


No bojo da disputa, contratos na área portuária e o número crescente de acidentes com navios de passageiros nos rios da Amazônia, que já teriam causado a morte de cerca de 180 pessoas.


Outros candidatos correm por fora. E todos tomam a bênção do senador José Sarney, que até agora diz que não se mete nesse angu. Será?

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Perigo no rio

Anterior

Toma lá, dá cá

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *