A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Mulheres na política: a luta paraense pelo voto feminino


A primeira deputada estadual paraense, Rosa Pereira, foi eleita em 1947, pelo Partido Social Democrático (PSD), e seus dois mandatos foram marcados pelo forte engajamento na luta pelos direitos das mulheres. Uma das lembranças de seu pioneirismo nessa luta é a sua única foto disponível: ela é a única mulher no meio de vários políticos homens, incluindo o então governador Magalhães Barata.  

Esta e outras histórias podem ser conhecidas pelos visitantes da exposição “Mulheres na política: a luta paraense pelo voto feminino”, no hall de entrada da Assembleia Legislativa do Pará (rua do Aveiro, nº 130, Cidade Velha, em Belém), aberta até a próxima segunda-feira, 13 de março, das 8h às 14h

Os painéis revelam a luta das mulheres parauaras pelo voto, participação política, igualdade de gênero e direitos civis, a expansão do movimento feminista no Pará e a biografia de todas as deputadas estaduais paraenses. A curadoria é do historiador Thiago Bezerra Viana, o acesso é livre e gratuito e a mostra é resultado de pesquisa do Acervo Histórico da Alepa, integrado por nove servidores e coordenado pela diretora legislativa, Dilma Antunes. 

O núcleo do Acervo foi criado em 2013 pelo presidente da Casa, deputado Márcio Miranda, com a missão de resgate histórico. “O parlamento produz história todo dia, mas não cuidava da sua própria história. Nós temos, aqui, leis importantíssimas, que mudaram a vida dos paraenses e do Estado e intervieram em vários momentos e todo esse acervo estava perdido. Esse é mais um trabalho da Comissão de Acervo e agora nós criamos uma diretoria para valorizar esse potencial que o Parlamento tem e para que a gente possa deixar isso para as próximas gestões, para que estudantes e pesquisadores possam ter acesso a esse manancial de informações”, explicou o presidente, realçando que a exposição é uma forma de homenagear as mulheres do mundo, do Brasil, do Pará e da Alepa, retratando as mulheres na vida política, uma forma de conhecer e reconhecer a importância do trabalho das mulheres e dar continuidade ao trabalho de resgate da memória do Legislativo. 

Documentos e fotografias datadas do século XIX, quando começaram os primeiros movimentos feministas e sufragistas no Pará, e que estavam espalhados pelo Arquivo Público Estadual, Instituto Histórico e Geográfico e em vários setores da Alepa, compõem a exposição, que poderá ser levada para qualquer escola que manifestar interesse. 
A vice-presidente da Alepa, deputada Cilene Couto (PSDB), lembrou que ainda há muitas lutas pela frente até que se alcance igualdade de direitos. “É extremamente importante o papel da mulher no Parlamento, mas a nossa representatividade ainda é muito pequena, ainda há distorções em relação à igualdade de gênero. Então, nós precisamos somar forças, no sentido de procurar mudar essa realidade. Venho somar na busca para vencer coisas como a erradicação do preconceito contra a mulher, as diferenças salariais no mercado de trabalho, e algo que nos incomoda muito, que é a violência contra a mulher, uma prática repugnante e covarde”.

Todo esse acervo está sendo digitalizado e em breve será publicado no portal da Alepa, de modo que a população possa ter acesso a essas informações, que são muito ricas e revelam parte da história do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *