A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

MP ajuiza ações contra aterro em Marituba

Os promotores de Justiça de Marituba ajuizaram duas ações criminais e uma civil pública para responsabilizar a Guamá Tratamento de Resíduos, Revita Engenharia e Solvi Participações, empresas que gerenciam o aterro sanitário localizado no município. Eles constataram que o empreendimento provocou danos ao meio ambiente, ao desmatar área de reserva legal sem a devida licença; operou em desacordo com a legislação ambiental, ao abrir lagoas para lançamento de chorume sem impermeabilização, possibilitando a contaminação do solo e lençol freático, além da ausência de cobertura e tratamento dos resíduos sólidos dispostos no local; e afetou negativamente a qualidade de vida dos moradores do entorno, sobretudo com o mau cheiro.    

Os representantes das empresas, Tadayuki Yoshimura, Lucas Rodrigo Feltre, Reinaldo Bonfim Oliveira, Paulo Lúcio Lopes, Caio Ávila Ferreira, Carlos Leal Villa, Eleusis Bruder e Mauro Renan Pereira também foram denunciados pela prática de crimes ambientais, e estão sujeitos a prisão e multa.

Levantamento feito pelo Ministério Público do Estado do Pará verificou que, em meados de 2015, no início de operação do empreendimento, os delitos já aconteciam, e também aparecem em relatórios de fevereiro de 2016 produzidos por técnicos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Os responsáveis foram notificados, desde aquela época, para sanar as irregularidades, mas, a cada nova inspeção, os problemas foram se agravando. 

Na ação civil pública, o MPE-PA cita, ainda, a Vega Valorização de Resíduos. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *