Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

É melhor não ver

Há três anos, Ercio Bemerguy, uma das melhores cabeças do Baixo Amazonas, escreveu no Uruá-Tapera uma crônica cuja atualidade é impressionante. Um menino de apenas 11 anos de idade fora encontrado morto em um matagal de um dos bairros periféricos de Belém. Barbaramente assassinado, não se sabe, até agora, por quem e nem por que. A propósito disso, Ercio transcreveu um comentário que lera na “Cartas do leitor” de um jornal de São Paulo: “Sei que a gente nasce para morrer. Mas, não tão cedo. Não tão depressa que não dê nem para sentir o gosto da vida. Quem vem ao mundo deveria pelo menos ter um direito garantido – o de sobreviver. Para que, afinal, a gente se organiza em sociedade, para que obedecer as leis, para que aceitar essa porção de contratos com a civilização – casamento, serviço militar, religião, impostos, moral, eleição, governo, legislativo, justiça, polícia – se em troca nem ao menos se garante a chance de viver a um menino que nasce debaixo dessas convenções sociais? Ele, o menino, morto cruelmente, nasceu perfeito, tinha pernas e braços, tinha coração e fígado, tinha alma. E, então, por que ninguém lhe assegurou amor, um lar, educação, alimentação, proteção, enfim, o mínimo de condições para que pudesse viver, para ser criança, para ser adolescente, para ser um homem digno?” E a indagação fica sem resposta, pois no nosso país milhares de crianças nascem para nada, nascem para se perder, para sofrer, para morrer, para serem jogadas fora. Sobre esse triste cenário de tanta desigualdade social, de tanta injustiça e de tanta violência, Ercio lembrou Vivian Carneiro, que também expressou a sua indignação, assim: “Certa vez, desejei ter nascido cega. Talvez seria mais fácil se não pudesse enxergar o que estão fazendo com a nossa gente; se não pudesse enxergar meninas e meninos esfomeados, buscando nas drogas e na prostituição o que lhes mate a fome, o que lhes faça suportar a fria noite nas calçadas. Seria mais fácil se não pudesse enxergar velhinhos e deficientes físicos suplicando esmolas nos sinais de trânsito; se não pudesse enxergar o desespero do pai de família desempregado. Seria mais fácil, sim, se não tivesse que enxergar além da grade que “protege” a minha casa.” É, caro Ércio, nestes tempos ruins essas atrocidades se repetem em um ritmo aterrorizante, e a sociedade fica calada, até quando o horror bate à sua porta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *