A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

Mantida suspensão do IPTU

A Prefeitura de Belém interpôs junto à 2ª Turma de Direito Público (processo nº0800695-27.2018.8.14.000000) Agravo de Instrumento contra a decisão da 5ª Vara de Fazenda Pública da Capital que sustou a cobrança do IPTU/2018 em percentual superior ao estabelecido no IPCA-E/IBGE.

Ontem, a desembargadora Diracy Nunes, relatora do recurso, preferiu primeiro ouvir os autores da ação popular e o MP. E assim concluiu seu despacho: “A questão em análise possui grande importância tanto para as finanças municipais como também para toda a
população da capital, possuindo em seu jogo complexidade. Entendo que enquanto a questão é devidamente
meditada, deve ser mantida a decisão agravada porque impede a realização de suposta cobrança irregular, que se
majorou ou meramente atualizou o ITPU, não importa o modo, acabará por impor claro gravame aos bolsos dos
contribuintes. De fato, a tese esposada pela municipalidade necessita da manifestação da parte contrária para que
possa suscitar, nesta relatora, um convencimento claro sobre a matéria, de modo que neste momento a cautela e
prudência impõem a abertura de prazo para contrarrazões e do douto parquet.
Desta forma, indefiro o pleito suspensivo.
Oficie-se ao juízo de primeiro grau comunicando a presente decisão e requisite-se as devidas informações.
Intime-se o agravado para, querendo, apresentar contrarrazões, na forma e prazo legais.
Após, remetam-se os autos ao douto parquet, para emissão de parecer.
Belém, 07 de fevereiro de 2018.
Desembargadora DIRACY NUNES ALVES
Relatora”.

Cliquem aqui e confiram a íntegra da decisão.

Está certíssima a desembargadora, assim como o Juízo singular que concedeu a liminar. Que a prefeitura precisa de receita para realizar obras e serviços, ninguém duvida. Acontece que só pode aumentar o IPTU através de lei, aprovada pela Câmara Municipal no ano anterior ao do início da cobrança, e não via Portaria. Simples assim.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *