Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Manifesto em prol do Chalé e Biblioteca

O Movimento Grito Icoaraci, integrado por artistas, estudantes, professores, líderes comunitários, associações e outras entidades,  lançou um Manifesto em defesa da Biblioteca Municipal Avertano Rocha e do Chalé Tavares Cardoso.
 

O documento relata que, concebido em arquitetura eclética, influenciada, principalmente, pelo neoclassissismo francês, o Chalé Tavares Cardoso foi construído para servir de residência à família Tavares Cardoso, cujo patriarca era o livreiro português Eduardo Tavares Cardoso, dono da tradicional Livraria Universal, localizada no bairro da Campina, em Belém.
Com o declínio da economia da borracha, a família precisou se desfazer do chalé e assim ele foi vendido ao Governo do Estado, que o transformou em Escola Ginasial e, em 1972, passou a abrigar a recém-criada Biblioteca Pública Municipal Avertano Rocha.
 
Nos primeiros 15 anos de existência, a Biblioteca Municipal se tornou referência, principalmente para os estudantes da rede pública. Mas no final da década de 80, por falta de manutenção, o prédio começou a apresentar fissuras, com o que a Biblioteca passou a funcionar em outro prédio, bem menor, na rua Itaboraí, em Icoaraci. O novo espaço não comportava todo o acervo e parte significativa ficou no Chalé Tavares Cardoso, que permaneceu fechado, sem segurança, até o dia em que foi invadido e saqueado. Em cinco anos o prédio, abandonado pelo poder público, parcialmente tombou. Só em 1998 foi iniciada a restauração, em três etapas.
Em 2000, a Biblioteca Municipal, após ter passado por três sedes provisórias, finalmente retornou ao Chalé Tavares Cardoso, que estava com a restauração quase concluída, faltando apenas a climatização e o paisagismo das áreas laterais.
 

Durante o período em que a Biblioteca Municipal esteve fora do Chalé, importantes projetos de fomento à leitura e extensão cultural foram realizados e ela recuperou seu público. Com o retorno ao prédio de origem, em quatro anos, na gestão do prefeito Edmilson Rodrigues, esses projetos foram ampliados e outros iniciados, em consequência o número de usuários chegou a mais de mil visitantes/dia. Esse crescimento foi interrompido em 2005, na gestão do prefeito Duciomar Costa, que abandonou não somente o Chalé, mas a Biblioteca Municipal.
 
Quando Duciomar Costa assumiu a Prefeitura de Belém, o Chalé Tavares Cardoso estava em obras para a construção do mezanino interno, a climatização, o paisagismo e a pintura geral do prédio, reforma que, passados nove anos, nunca foi concluída.
A falta de manutenção, o bloqueio dos dutos de escoamento das águas pluviais (que ocasiona constantes alagamentos do terreno), a mudança do tráfego de veículos pesados para a rua Rua Siqueira Mendes, a verticalização sem fiscalização da orla, aliada à falta de políticas públicas para o livro e a leitura, têm contribuído para a destruição do importante patrimônio arquitetônico da cidade e para o enfraquecimento institucional da Biblioteca Municipal Avertano Rocha.
A situação precária de conservação motivou o prefeito Zenaldo Coutinho a tomar a decisão de fechar o Chalé Tavares Cardoso e alugar uma casa para instalar provisoriamente a Biblioteca Municipal.
 
Receosos de que a história se repita, e contrários a qualquer medida sem a participação efetiva da comunidade icoaraciense, os integrantes do grupo querem a permanência da Biblioteca Pública Municipal no Chalé Tavares Cardoso até que se tenha laudo técnico conclusivo realizado por órgão ou empresa especializada, com respaldo técnico do IPHAN, Secult/DEPAC e Fumbel;
criação de Grupo de Trabalho e Acompanhamento Paritário formado por representantes da sociedade civil e técnicos das instituições responsáveis pela preservação do patrimônio histórico e pela gestão de bibliotecas, nas três esferas de governo;
visita pública de técnicos do IPHAN, Secult/DEPAC, Fumbel, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e representantes da comunidade;
e que, em caso de interdição por risco de desmoronamento,  seja alugado um prédio, em Icoaraci, com espaço e condições adequadas para o funcionamento da Biblioteca Municipal;
além da interrupção imediata do tráfego de veículos médios e pesados (vans, carretas, caminhões e ônibus) na Rua Siqueira Mendes;
fiscalização, por parte da Seurb, Fumbel e Secult/DEPAC, das obras que estão sendo realizadas na orla de Icoaraci;
serviços emergenciais de desobstrução da tubulação que permite o escoamento das águas pluviais da lateral do Chalé Tavares Cardoso (antigo lago);
remanejamento orçamentário, assegurando dotação para a restauração do Chalé Tavares;
articulação com o Ministério da Cultura e com a Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves a fim de viabilizar os recursos necessários para as obras de restauração.
 
Quem quiser assinar a petição pública dirigida à ministra da Cultura, ao governador Simão Jatene, ao prefeito Zenaldo Coutinho e vereadores de Belém, deputados estaduais e federais do Pará, e Procurador Geral do MPE-PA, pode clicar aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *