A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Lixão de Marituba pode ser desativado


Pela primeira vez desde que começaram os protestos contra o lixão de Marituba, hoje foi ventilada a hipótese de desativação da central de processamento e tratamento de resíduos no município. Em reunião entre os manifestantes que estavam há três dias bloqueando o acesso à área, o governo do Estado admitiu que poderá rever o projeto e cancelar a licença de operação. Uma comissão foi instalada e nova reunião já está agendada para a quarta-feira da semana que vem. O secretário de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Luiz Fernandes, acalmou os cidadãos revoltados, ao lado do deputado Raimundo Santos, que representou a Assembleia Legislativa por designação do presidente da Casa, deputado Márcio Miranda. 

Com o lixo acumulado há dias e  uma situação calamitosa em todos os bairros, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, chegou a fazer apelo através de vídeo nas redes sociais, pelo fim imediato do bloqueio à entrada do aterro sanitário de Marituba, alertando que se trata de questão de saúde pública. 

Os municípios de toda a região metropolitana, o governo do Estado, a Alepa e o Ministério Público cobram da empresa Revita-Guamá medidas de proteção ambiental. A comunidade que vive no entorno quer a desativação do aterro sanitário, por conta dos inúmeros problemas decorrentes do lixão no local. O odor fétido e problemas respiratórios figuram entre as principais queixas. 

A empresa Guamá Tratamento de Resíduos, que opera o aterro de Marituba, tentou justificar alegando que opera com lonas especiais de cobertura do solo, que pôs mais funcionários nas frentes de trabalho durante o período de chuvas, e que já identificou duas tecnologias para redução do mau cheiro: uma que funciona por meio de lavagem de altíssima pressão e outra que quimicamente neutraliza as substâncias odoríficas.
Prometeu que o contato com os moradores locais será intensificado para recebimento de dúvidas, reclamações e prestação de esclarecimentos, com o compromisso de oferecer soluções para assegurar o conforto de todos e a destinação ambientalmente adequada para os resíduos gerados na região. Mas a comunidade não aceita mais os argumentos e exige a desativação.

A manifestação começou anteontem (1º), com a interdição de parte da Alça Viária. Ontem, representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Marituba, Promotoria Pública de Marituba e um grupo de vereadores discutiram o assunto, mas não houve acordo. Os moradores acusam a Guamá Tratamento de Resíduos de não cumprir as exigências ambientais. No ano passado, atendendo petição pública com mais de trinta mil assinaturas, o deputado Raimundo Santos realizou várias reuniões, inclusive audiência pública na Alepa, da qual participou o secretário adjunto de Gestão e Regularidade Ambiental, Thales Belo, além de representantes da Revita-Guamá, quilombolas, lideranças comunitárias como o escritor André da Costa Nunes, e centenas de moradores do entorno. A revolta é grande.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *