A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Justiça Federal inocenta ex-prefeito

O juiz federal substituto da 1ª Vara, Henrique Jorge Dantas da Cruz, julgou improcedente ação do Ministério Público Federal contra o ex-prefeito de Curralinho (PA), Miguel Pedro Pureza Santa Maria, por sua supostas irregularidades na aplicação de recursos do Programa de Agricultura Familiar (Pronaf). 

O MPF alegou que o Ministério do Desenvolvimento Agrário, em ofício datado de 2011, informa que o contrato, no total de R$ 150 mil, foi executado apenas em parte e a prestação de contas do então prefeito  não foi aprovada. 

Mas o juiz verificou que só foram liberadas três parcelas no valor total de R$ 48.030,75 e a última fiscalização constatou que as obras já concluídas custaram R$ 48.032,80. Além do mais, o contrato de repasse foi assinado em 27/12/2000. Nos autos, há prova de que as três parcelas foram pagas em 03/06/2003, 16/12/2004 e 06/07/2006. Todavia,  Miguel Pedro Pureza Santa Maria só tomou
posse como prefeito de Curralinho em 2009. Não há, portanto, como atribuir-lhe
eventual má gestão desses recursos públicos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *