0
A obra de restauro da Catedral de Belém, iniciada em 4 de agosto de 2005, deve ser inaugurada no próximo dia 1º de setembro, dia dedicado a Nossa Senhora de Belém, padroeira da cidade.
Criada como Igreja Cathedral de Santa Maria de Bellem do Grão Pará nos idos de 1713, no nicho onde a cidade nasceu, em 1616, no século XVIII teve impressa em seus contornos a marca do italiano Antônio José Landi.
Um dos tesouros da Igreja da Sé é o órgão expedido pela oficina Aristides Cavaillé-Coll, de Paris, de inspiração italiana, similar ao da capela da Universidade de Coimbra, em Portugal, que chegou em 1882, além de telas do pintor Domenico de Angelis.
Ao longo dos seus quase 238 anos, as pinturas decorativas das abóbadas do salão dos pontificais, paredes e abóbadas dos átrios e corredores paralelos à nave sofreram intervenções. Durante o restauro, foram descobertas camadas pictóricas do século XIX que estavam encobertas por pinturas contemporâneas.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Parques de Tecnologia

Anterior

O gênio do violão

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *