Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Jatene e a distância entre intenção e gesto

Na política parauara, nada há no rugir das tempestades. A sucessão de ataques ao ex-governador Simão Jatene teve o condão de fazê-lo sair de seu mutismo e ressurgir nas redes sociais, com manifestações em vídeo, e assanhou a militância tucana que lhe é fiel, gerando uma movimentação atípica, disseminando vídeos que mostram suas realizações nos três governos. Evidente recado de que está vivo e pode fazer ferida. Mas isso não significa que ele decidiu se candidatar a governador do Pará ano que vem. Nada está resolvido, vai depender das candidaturas à Presidência da República, e das novas regras eleitorais.

Como se sabe, o grupo do PSDB no Pará comandado pelos deputados estaduais e federais está fechado com o governador Helder Barbalho. Nesse cenário, nem legenda Jatene, assim como o ex-prefeito de Belém Zenaldo Coutinho, terão para se lançar e se não migrarem ainda este ano para outro partido. Porém, se o candidato a presidente for um forte aliado seu, é provável que o diretório nacional intervenha e destitua a todos os atuais dirigentes estaduais. E aí a rebordosa seria grande. É improvável que o MDB abrigue a todos, e mais difícil ainda que sejam impulsionados pela máquina administrativa. Pelo que se observa na cena política, a renovação parlamentar será de mais da metade da Alepa e da bancada federal.

Por outro lado – apesar do célebre brocardo político de Gerson Peres de que em política boi voa – não é crível uma aliança de Jatene com a extrema direita, personificada pelo senador Zequinha Marinho e o delegado federal Eguchi, nem com o suplente do senador Jader Barbalho, Helenilson Pontes. Esses personagens dificilmente se unirão em grupo, cada qual tem anseios próprios. E alguns atiram pedras em público mas nos bastidores enviam sinais e mantêm cargos no governo estadual.

É que o golpe duro e presto, depois de feito, desencontrado, se contesta, e há distância entre intenção e gesto, como no Fado Tropical. Perguntei ao meu amigo filósofo mudo de Oriximiná o que ele pensa de tudo isso e ele exclamou: “_Hummmm… hummmmmmm!”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

2 comentários

  1. É triste constatar a indigência da política partidária no Pará. Homens,cujo interesse maior é o próprio umbigo. Gente mentirosa e sem honra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *