Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Jader depõe ao juiz Sérgio Moro

Em depoimento ao juiz Sérgio Moro hoje de manhã, através de videoconferência e na condição de testemunha de defesa do lobista Jorge Luz e seu filho Bruno, presos na Operação Lava-Jato, o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) negou ter indicado Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa para a diretoria da Petrobras.

Jader admitiu ter conhecido Jorge Luz no início de 1983, no seu primeiro mandato como governador do Pará, e que naquela época o lobista prestava serviços de consultoria para a Cosanpa. Contou ter sido apresentado a Paulo Roberto Costa em um jantar na casa do então presidente do Senado, Renan Calheiros, quando conversaram sobre o biodiesel, no qual a Petrobras estaria interessada em investir e que seu interesse era fomentar o plantio do dendê por meio de empréstimos no Pará. No mesmo jantar, o senador teria conhecido também Cerveró. Mas negou conhecer Fernando Soares, o Fernando Baiano, considerado um operador do PMDB na Petrobras.

Eis algumas das frases de efeito de Jader em seu depoimento à Justiça Federal de Curitiba(PR):

“_ Nunca indiquei ninguém nem para a portaria da Petrobras.”

“— Confesso ao senhor que desconhecia o poder desses dirigentes da Petrobras. Só vim tomar conhecimento em um episódio pitoresco em que o então presidente da Câmara, Severino Cavalcante, disse que estava interessado em indicar um diretor para Petrobras para aquela área que furava poço.”

“— Nunca tinha ouvido falar da existência desse senhor (Fernando Baiano), e me considero um político bem informado.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *