A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Invasões e assaltos continuam em Salinópolis

Minha sobrinha estava em casa de amigos, ontem à noite, em um condomínio na praia do Atalaia, em Salinópolis, quando três bandidos armados invadiram e saquearam a residência. Levaram tudo das pessoas e da casa, inclusive um dos carros, que abandonaram depois. Os iPhones foram jogados na piscina, para evitar rastreamento. Um dos convidados levou uma coronhada, ao fazer um gesto assustado quando viu os assaltantes. Felizmente não houve outros atos de violência física. A psicológica, porém, deixa marcas indeléveis, além dos prejuízos financeiros.

As invasões e assaltos à mão armada continuam a assombrar moradores e visitantes de Salinas. O medo é permanente nas casas, estabelecimentos comerciais e nas areias das praias, no calçadão do Maçarico e em todos os recantos aprazíveis. 

Não à toa, há poucos turistas apesar do feriadão. 

Pontos tradicionais em Salinas, como a sorveteria Cairu da praça da igreja matriz, fecharam. A maioria das barracas na orla do Maçarico, idem. Aliás, a barraca de informações turísticas nunca se vê aberta. A grande loja Yamada está com mais da metade de suas prateleiras vazias. Dá pena ver empreendimentos que geravam emprego e renda minguando.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *