Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

Invasões e assaltos continuam em Salinópolis

Minha sobrinha estava em casa de amigos, ontem à noite, em um condomínio na praia do Atalaia, em Salinópolis, quando três bandidos armados invadiram e saquearam a residência. Levaram tudo das pessoas e da casa, inclusive um dos carros, que abandonaram depois. Os iPhones foram jogados na piscina, para evitar rastreamento. Um dos convidados levou uma coronhada, ao fazer um gesto assustado quando viu os assaltantes. Felizmente não houve outros atos de violência física. A psicológica, porém, deixa marcas indeléveis, além dos prejuízos financeiros.

As invasões e assaltos à mão armada continuam a assombrar moradores e visitantes de Salinas. O medo é permanente nas casas, estabelecimentos comerciais e nas areias das praias, no calçadão do Maçarico e em todos os recantos aprazíveis. 

Não à toa, há poucos turistas apesar do feriadão. 

Pontos tradicionais em Salinas, como a sorveteria Cairu da praça da igreja matriz, fecharam. A maioria das barracas na orla do Maçarico, idem. Aliás, a barraca de informações turísticas nunca se vê aberta. A grande loja Yamada está com mais da metade de suas prateleiras vazias. Dá pena ver empreendimentos que geravam emprego e renda minguando.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *