O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Índios e quilombolas discutem terras

Nesta quarta-feira, 9, cerca de 80 lideranças indígenas e quilombolas estarão em Santarém, na vila de Alter do Chão, para debater com representantes dos governos federal e estadual a conclusão dos processos de regularização de suas terras, bem como medidas para proteger seus territórios frente à expansão da mineração de bauxita e a retomada dos estudos para construção de usinas hidrelétricas no rio Trombetas.
A Roda de Diálogo é promovida pela Comissão Pró-Índio de São Paulo e o Iepé-Instituto de Pesquisas e Formação Indígena. 

A procuradora da República Fabiana Keylla Schneider, o presidente da Funai, João Pedro Gonçalves da Costa, o coordenador regional do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Carlos Augusto de Alencar Pinheiro, e o gerente da Região Calha Norte II do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-bio), Joanísio Cardoso Mesquita, confirmaram presença no evento.
Foram convidados também o Incra, a Fundação Cultural Palmares, o Instituto de Terras do Pará e o Núcleo de Apoio aos Povos Indígenas, Comunidades Negras e Remanescentes de Quilombos do governo do Pará. 

Há um processo na Funai da Terra Indígena Katxuyana-Tunayana e outros quatro no Incra e Iterpa para titulação das Terras Quilombolas Alto Trombetas, Alto Trombetas 2, Cachoeira Porteira e Ariramba.
A expansão das atividades da Mineração Rio do Norte dentro das Terras Quilombolas Alto Trombetas e Alto Trombetas 2 é outro ponto na agenda da Roda de Diálogo. 

Em Oriximiná, vivem cerca de 9 mil remanescentes de quilombos, distribuídos em 36 comunidades que ocupam oito territórios coletivos, dos quais quatro estão titulados e um parcialmente titulado. Entre os povos indígenas, as etnias Wai Wai, Katxuyana, Hixkariyana, Inkarïnyana, Kahyana, Tunayana, Txikiyana, Kamarayana, Karafawyana, Mawayana, Okomoyana, Pirixiyana, Txarumayana, Xerewyana, Xowyana, Katwuena, Farukoto, Zo’é têm população em torno de 4,3 mil, distribuída em 47 aldeias, em quatro Terras Indígenas, três já demarcadas e uma em processo de regularização (TI Katxuyana-Tunayana). A Funai confirma a existência também de índios isolados. 

Durante o encontro será lançado o livro “Entre águas bravas e mansas. Índios & quilombolas em Oriximiná”, publicado pela CPI-SP e Iepé. Leiam a versão digital do livro aqui

O vídeo da campanha Índios & Quilombolas de Oriximiná, da CPI-SP, está disponível aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *